• Correio Paulistano
     É a capoeira um ballet masculino
    16/nov/1957

    Imagens

    • Leia o texto abaixo

    • Leia o texto abaixo

    Correio Paulistano, 16/nov/1957


    Texto

    • página 1

      -

      Correio Paulistano
      SP
      16/11/1957

      É a capoeira um ballet masculino – O jogo da capoeira no barraco do mestre Waldemar – Berimbau é quem comanda o jogo, mas o pandeiro também tem a sua vez – As baianas e o doce de coco

      Texto de Araguaya
      Fotos de Chiquinho

      SALVADOR

      [a legenda da foto] Turistas têm um lugar reservada na capoeira de Mestre Waldemar. Mas os baianos, tambem, às vezes matam saudade da capoeira

      À rua Pero Vaz, no Bairro da Estrada da Liberdade, nesta Capital, fica a capoeira de mestre Waldemar. Desde o seculo passado que se joga capoeira no Brasil. A capoeira tem origem negra e foi introduzida no país pelos escravos bantus de Angola. A sua eficiencia [..] uma luta «pra valer» já foi por demais comprovada.

      «Deve ter sido esse o motivo principal da repressão que sofreu a capoeira nos tempos dos senhores de engenho, da polícia imperial e da republica. Mas não demoraram os negros em encontrar uma solução: da mesma maneira que camuflaram sua religião com a de seus senhores, camuflaram a luta da capoeira com pantomimas, mimicas e danças acompanhadas de musica» – diz Caribe em documentario sobre a materia.

      E foi assim que a violenta luta conhecida pelo nome de capoeira se transformou em um «ballet de homem», dançando ao som de berimbaus, caxixis, reco-recos e pandeiros. Antigamente usava-se o berimbau de boca, hoje substituído pelo berimbau de barriga.

      IMPORTANCIA DO BERIMBAU

      O jogo é realizado de acordo com o ritmo do berimbau. Há uma serie de toques. Os mais conhecidos segundo Caribe, são: Cavalaria, São Bento Grande (jogo ligeiro), São Bento Pequeno (samba da capoeira), Banguela (jogo de dentro, com faca), Santa Maria (jogo lento), Ave Maria (hino da capoeira), Amazonas (jogo medio) e Iuna (jogo baixo).

      Quando a reportagem chegou ao barracão de Mestre Waldemar a capoeira estava começando. Três tocadores de berimbau, 4 ou 5 pandeiristas, formavam a orquestra. O barracão é coberto de palmas. O local do jogo é cimentado, ficando a assistencia separada dos lutadores por pequena cerca.

      Lá fora baianas vendem doce de côco, enquanto outras fritam conhecidos petiscos da «Boa Terra». O bairro é pobre e superpovoado. É domingo. Salvo os

    • +

      página 2

      [a legenda da foto] Estamos em plena Estrada da Liberdade. Aí funciona a capoeira de Mestre Waldemar

      turistas e alguns apaixonados pela capoeira, ninguem mais dela toma conhecimento. Capoeira na Liberdade deve ser rotina.

      Ao ritmo da musica os tocadores cantam:

      «Uma pedra deu na outra
      e meu coração deu no seu»...

      «Ele é mandingueiro
      Vamo-nos embora
      pelo mundo afora»...

      Os capoeiristas continuam em suas evoluções. Não podem tocar seus adversarios com a mão. No chão apenas o pé e as mão podem tocar.

      «Querem me vendê camarão»...

      «Eu fui comê uma peixada
      na casa de Zé Anum
      Menina que peixe é esse.
      Esse peixe é de atum».

      Os pares de capoeiristas se sucedem: Vanildo x Moíses, Vanildo x Manuel, Vanildo x Costa, Vanildo x Cabelo Bom.

      Bugalho, no berimbau, comanda a orquestra, Velho Claudio toca pandeiro. Mas, quando chega, mestre Valdemar, assume a direção da capoeira tocando berimbau. Pau Brasil e Nelson são outros bons tocadores de berimbau, João de Deus e Valdemiro fazem artes no pandeiro. O contra-mestre é Traíra. Tambem é bom no berimbau.

      As exibições continuam. Rabo de arraias, rasteiras, tesouras, cabeçadas são alguns dos muitos golpes armados. A cada ataque corresponde uma saída do adversario, do modo que a capoeira evolui num masculo «balet»... Esse jogo se bem aproveitado poderia atrair grande publico nos grandes centros do sul e mesmo no estrangeiro.

      O pintor Mario Cravo explica ao reporter: a capoeira está sofrendo algumas modificações que afetam a sua antiga pureza. Aliás, Mestre Bimba no entender de alguns folcloristas, prestou um grande desserviço à capoeira, quando lhe introduziu varios golpes estranhos a ela. Em contrapartida a capoeira muito deve a Caribe e a Mario Cravo, dois pintores, que morrem de amores pelas coisas da Bahia.

      Em Caribe vamos encontrar estes versos de capoeira:

      «Sinhazinha, que vende ai?
      Vendo arroz do Maranhão
      Meu Sinhó mandó vendê
      Na terra do Salomão.
      Aruandê

      E o coro responde ao mestre:

      ê ê ê
      Aruandê
      Camarado
      Galo cantô
      Camarado
      Cocôrocô»...

      E os capoeiristas continuam em suas evoluções como duas cobras, que dançassem sem se tocar. No centro do terreno é colocado um lenço. Um dos capoeiristas – o mais eximio – deve apanha-lo com a boca, enquanto o adversario tudo fará para impedi-lo. Os passos do barbaro «balet» continuam. Cabelo Bom catou o lenço com os dentes debaixo dos aplausos da assistencia. Algumas notas são atiradas ao picadeiro de luta premiando seu esforço.

      «Uma pedra deu na outra
      e meu coração deu no seu»...



Flickr Fotos

    Atualizações do blog direto a seu inbox

    Back to Top